Como


Na rota das estrelas

 

Montanhas bordadas ao verde das árvores. Magras ruelas com cheiro a Idade Média. Barcos que agitam as serenas águas do lago. E o acolhedor estaleiro de um dos fabricantes de barcos mais antigos de Itália. Tudo isto é Como. Situada entre os Alpes e o vale do Rio Pó, surpreende o viajante mais incauto. Venha conhecê-la connosco.

 

Os sinos da “Basílica di Sant'Abbondio” ressoam pelas ruas de Como. Eco de tempos passados, esta igreja romana e os seus frescos do século XI são uma visita imperdível. Com actualmente apenas cerca de 87.000 habitantes, Como foi um importante centro industrial, sobretudo famoso pela sua manufatura de seda. Não há dúvida que a história aqui é rainha. Orgulhosa do seu passado, esta cidade do norte de Itália é um relato vivo de estilos arquitetónicos: A Muralha de Defesa de Como; a Câmara Municipal (“Broletto”, de 1215); a magnífica Catedral (construída entre o século XIV e o século XVIII); O “Asilo Sant'Elia” (obra de Giuseppe Terragni); A “Ticosa” (antiga empresa têxtil de seda); A “Vila Olmo” (edifício do neoclassicismo); O “Templo de Volta” (construído em 1928, em honra do físico Alessandro Volta); O “Monumento da Resistência Europeia”, em memória das vítimas da Segunda Guerra Mundial (...) Um mundo interminável de surpresas torna o nosso dia inesquecível.

Uma bela casa medieval dá cor à praça que avistamos: “San Fedele”. Um dos muitos restaurantes desafia o nosso olhar. Tempo para substituir história por prazeres gastronómicos. A lista de “antipasti, primi piatti, secondi piatti” é avassaladora. Decidimo-nos por “panini” com mozarella de búfala, tomate, basílico. E vinho tinto, de chorar por mais. Para sobremesa, “gelatti”. Evidentemente. Um almoço simples, mas perfeito. A melhor maneira de recuperar energia para outros percursos.

 

Rumo a Laglio

 

A tarde caminha a passos largos. Encontramo-nos a bordo de um dos barcos que desafiam diariamente as serenas águas do lago de Como. Considerado o terceiro maior de Itália, é também um dos mais profundos da Europa (410 metros). Emoldurado pelas montanhas circundantes, oferece paisagens de beleza inigualável. É fácil perceber a razão pela qual foi cenário de diversos filmes -  por exemplo “Casino Royal” (James Bond) e “Ocean's Twelve” (com actuações de, entre outros, Brad Pitt e George Clooney). George Clooney....é impossível mencionar Clooney sem referir “Villa Oleandra”. Foi em 2003 que o actor – tal como outras personalidades do mundo do espectáculo - decidiu comprar uma propriedade nesta região italiana. Indubitavelmente bela, situa-se em redor do lago de Como, em Laglio. O nosso destino. Não, não temos encontro marcado com a estrela norte-americana. Quem nos espera é um dos estaleiros mais antigos de Itália. Apesar de os escritórios actualmente se situarem noutra localidade, foi  neste acolhedor recinto que a família soltou as amarras à arte de construir barcos. Uma tradição que passa de geração em geração.

O actual proprietário, Ernesto Riva (primo da família Riva,  proprietária dos famosos barcos a motor), recebe-nos de sorriso aberto. A paixão pelo seu ofício é patente no rosto amável e nos expressivos olhos castanhos. São muitos os barcos que se encontram no local: pequenos, grandes, modernos, velhos, doentes. Mas a atenção de Ernesto está especialmente voltada para um barco “recém-nascido”. Terminado há algumas horas, foi criado juntamente com um amigo de longa data. Mais por brincadeira do que outra coisa. “Ainda não estamos seguros se pode velejar”, salientam, divertidos. Determinados, lançam-no ao lago. A melhor maneira de baptizar um barco. Três, dois, um...agora! Ainda que trémulo, já consegue agitar as águas de Como. Um sorriso triunfante ilumina o rosto de todos os presentes. Missão cumprida.

18:00. O lago e a vegetação circundante são um espelho de harmonia. Olhamos em redor. Há quem decida pescar. Os mais aventureiros desafiam a água com o barco bebé. Ao longe, escutam-se gargalhadas de crianças. Diversas vozes cantam sem timidez. Sons que se vão repercutindo na nossa memória. Doces, melodiosos, belos. Assim é o italiano. Assim é Itália.


Ana Bernardo