À porta ou à janela, os portugueses em Copenhaga mostraram “o sorriso sempre presente”

“Um retrato à porta pode ser o perfeito oposto de uma temporada em confinamento. Os “breves minutos” necessários para retratar uma família a sorrir e a efemeridade do disparo contrastam com as longas semanas de isolamento que o mundo teve de cumprir. Marta Dias quis mostrar essa dicotomia. Encontrou na Internet “vários fotógrafos que estavam a captar retratos à porta devido ao confinamento” e gostou da ideia — mas quis ir mais longe: “[Quis] Documentar a comunidade portuguesa num país estrangeiro nesta altura atípica.”

A viver na Dinamarca devido à vontade de “apostar noutro país e noutras experiências”, a arquitecta com o bichinho da fotografia procurou portugueses a viver em Copenhaga que quisessem participar no projecto Stay at Home — Portuguese in Copenhagen através de grupos associados à comunidade portuguesa no país. A ideia era “obter uma perspectiva mais documental de uma comunidade num país confinado que, ao mesmo tempo, tem os olhos postos em Portugal”.

Antes do projecto, não conhecia nenhum dos portugueses que aderiram à ideia. Mas, quando lançou o convite, encontrou 12 famílias dispostas a abrir-lhe a porta “com um caloroso acolhimento”. Fotografou-os à porta, à janela ou na varanda, “de uma forma muito rápida, sem mudar os planos diários destes portugueses”. Cada família com a sua história: “Alguns com saudades de casa por não saberem quando podem visitar a família e o país; alguns na incerteza pois, apesar de o confinamento ter terminado por cá, as fronteiras continuam fechadas por tempo indeterminado, e muitos continuam a trabalhar em casa e a viver de forma moderada”, relata.  Ainda assim, todos eles com “o sorriso português sempre presente”.”

https://www.publico.pt/2020/05/30/p3/fotogaleria/porta-ou-janela-portugueses-copenhaga-vieram-mostrar-sorriso-sempre-presente-401360?fbclid=IwAR3tDiafkcoViezx7tfXWNKRudvqrzt99CGN9gqY2uypN8uPCuHbRkDmRe0